sexta-feira, 6 de março de 2009

Habitáculos_Parque Ibirapuera outubro 2008










Habitáculos

Artistas habitam árvores durante o Planeta no Parque

Quatro artistas e um engenheiro-alpinista se propuseram a morar por 10 dias em algumas árvores do parque do Ibirapuera para experimentar novas formas de coexistência, questionar hábitos de consumo e provar que o ser humano é parte do espaço que habita


Por Thays Prado
Planeta Sustentável

Os funcionários do parque do Ibirapuera logo se acostumaram com os novos habitantes das árvores próximas à Ponte do Sapateiro. Se nos primeiros dias eles olhavam desconfiados para as cinco pessoas que ficavam o tempo todo em cima de galhos, presas por equipamentos de alpinismo, com os quais se locomoviam entre as pequenas plataformas de madeira –, em pouco tempo, seus tímidos “ois” de quando passavam por ali se transformaram em um sonoro e meio selvagem “ô-ôô”, para saudar os moradores do espaço, que respondem com a mesma energia.

“Não estamos incomodando, apenas celebrando experiências e encontros e isso gerou empatia”, diz a artista plástica coordenadora do projeto, Floriana Breyer – a “Flor”. Durante os 10 dias de “Planeta no Parque”, ela, outros três performers – Mavu Tissinin, Carolina Pinzan e Ivana Calado – e um engenheiro e alpinista – o Peetssa – passam o dia habitando a copa de algumas árvores. Por ali, além dos costumeiros visitantes do Ibirapuera, passam as crianças e demais participantes do percurso de Mobilidade do evento e são estimulados a refletir sobre a maneira como ocupam o espaço urbano e lidam com as outras formas de vida da natureza.

A proposta do “Habitáculos” – nome dado a essa mistura de instalação artística, arvorismo, performance e vivência – é “construir estruturas para o corpo habitar”, interagir com o ambiente e experimentar um contato íntimo com a natureza. “Normalmente, entendemos a natureza como algo separado do ser humano. Mas, por mais que nos coloquemos distante dela, o que queremos é sentir que o ser humano é parte do meio ambiente”, comenta Flor.

Durante o dia, os novos habitantes do lugar organizam seu espaço, limpam a casa, fazem acordos de convivência, exploram a vizinhança, se alimentam, cantam, se comunicam entre si e com os animais e sentem o ritmo lento de morar ali. Eles também usam alguns figurinos que lembram árvores e pássaros, por exemplo, e os estimulam a entrar no clima. São o que os artistas chamam de “facilitadores de estado”.

A dieta, leve e nutritiva, é composta por frutas secas, castanhas, grãos, água de coco e açaí. Uma equipe de solo, que apóia os cinco, repõe a comida, quando acaba. Dali do alto, eles só descem mesmo para usar o banheiro.

À noite, alguns voltam para casa para tomar banho e ficar um pouco com a família, mas voltam cedo para a morada temporária. Flor conta que passa até duas noites dormindo nas árvores. Ela diz que, com a alimentação natural e a movimentação durante o dia, a falta do banho não é tão problemática. Além do mais, “precisamos conviver com nossa própria existência, com nosso cheiro, nosso suor... O ideal seria mesmo que o córrego fosse limpo”.

Os animais do local parecem já ter se acostumado à nova vizinhança. Um pica-pau prestativo vai visitá-los todas as noites e um “alma-de-gato” também costuma dar o ar da graça. Para cumprimentar os hospitaleiros pássaros, os artistas inventaram melodias.

No começo, as formigas não foram muito gentis com os recém-chegados e comiam sua comida. Depois de um acordo entre as partes, que determina que elas ganhem um pedacinho de tudo o que esses cinco humanos comem, a paz voltou a reinar entre as árvores.

Durante a noite, é hora de vivenciar o silêncio, só interrompido pelo que elegeram como o auge da madrugada – uma cantoria de um sem fim de pássaros de diferentes espécies às 4 da manhã, anunciando a chegada dos primeiros raios de sol.

Em oito dias, os cinco estão completamente integrados ao novo habitat. “O espaço virou mesmo a nossa casa. Temos uma sensação de afetividade muito grande, expandimos nossa noção de corpo e de espaço e percebemos que a natureza é mais do que terra e solo e cresce em todos os sentidos”, diz Flor, tentando descrever o indescritível.

A experiência têm gerado neles uma vontade de descobrir outras formas de trabalhar e agir no dia-a-dia. “Um jeito que respeite o tempo da vida, o ciclo das coisas, que seja mais orgânico”. Suas noções de consumo também têm sofrido mudanças e as tantas embalagens industrializadas nas cidades parecem cada vez mais desnecessárias. Os cinco também têm descoberto a arquitetura sustentável, que não destrói a natureza, já que faz uso dos próprios galhos das árvores como suportes para as plataformas de descanso e não vai deixar rastros de impactos negativos sobre o local, depois que o Habitáculos terminar – no domingo, último dia do Planeta no Parque.

Flor participa de instalações como essa desde 2004 e procura levar esse estilo natural de viver para a rotina que tem quando está com os dois pés no chão. “Se esse córrego do parque fosse limpo, poderíamos morar aqui para sempre”, diz a artista. Pelo visto, ninguém está muito animado a voltar de vez para casa depois de tanta harmonia, liberdade e paz.

[img1]

Leia também:
Percurso ensina consumo consciente
Muitos "planetas" no Parque
Planeta no Parque animou o Dia das Crianças
Crianças aprendem no Planeta no Parque
Planeta no Parque agita o Ibirapuera
O grande dia chegou
Planeta Sustentável volta ao Parque

Os funcionários do parque do Ibirapuera logo se acostumaram com os novos habitantes das árvores próximas à Ponte do Sapateiro. Se nos primeiros dias eles olhavam desconfiados para as cinco pessoas que ficavam o tempo todo em cima de galhos, presas por equipamentos de alpinismo, com os quais se locomoviam entre as pequenas plataformas de madeira –, em pouco tempo, seus tímidos “ois” de quando passavam por ali se transformaram em um sonoro e meio selvagem “ô-ôô”, para saudar os moradores do espaço, que respondem com a mesma energia.

“Não estamos incomodando, apenas celebrando experiências e encontros e isso gerou empatia”, diz a artista plástica coordenadora do projeto, Floriana Breyer – a “Flor”. Durante os 10 dias de “Planeta no Parque”, ela, outros três performers – Mavu Tissinin, Carolina Pinzan e Ivana Calado – e um engenheiro e alpinista – o Peetssa – passam o dia habitando a copa de algumas árvores. Por ali, além dos costumeiros visitantes do Ibirapuera, passam as crianças e demais participantes do percurso de Mobilidade do evento e são estimulados a refletir sobre a maneira como ocupam o espaço urbano e lidam com as outras formas de vida da natureza.

A proposta do “Habitáculos” – nome dado a essa mistura de instalação artística, arvorismo, performance e vivência – é “construir estruturas para o corpo habitar”, interagir com o ambiente e experimentar um contato íntimo com a natureza. “Normalmente, entendemos a natureza como algo separado do ser humano. Mas, por mais que nos coloquemos distante dela, o que queremos é sentir que o ser humano é parte do meio ambiente”, comenta Flor.

Durante o dia, os novos habitantes do lugar organizam seu espaço, limpam a casa, fazem acordos de convivência, exploram a vizinhança, se alimentam, cantam, se comunicam entre si e com os animais e sentem o ritmo lento de morar ali. Eles também usam alguns figurinos que lembram árvores e pássaros, por exemplo, e os estimulam a entrar no clima. São o que os artistas chamam de “facilitadores de estado”.

A dieta, leve e nutritiva, é composta por frutas secas, castanhas, grãos, água de coco e açaí. Uma equipe de solo, que apóia os cinco, repõe a comida, quando acaba. Dali do alto, eles só descem mesmo para usar o banheiro.

À noite, alguns voltam para casa para tomar banho e ficar um pouco com a família, mas voltam cedo para a morada temporária. Flor conta que passa até duas noites dormindo nas árvores. Ela diz que, com a alimentação natural e a movimentação durante o dia, a falta do banho não é tão problemática. Além do mais, “precisamos conviver com nossa própria existência, com nosso cheiro, nosso suor... O ideal seria mesmo que o córrego fosse limpo”.

Os animais do local parecem já ter se acostumado à nova vizinhança. Um pica-pau prestativo vai visitá-los todas as noites e um “alma-de-gato” também costuma dar o ar da graça. Para cumprimentar os hospitaleiros pássaros, os artistas inventaram melodias.

No começo, as formigas não foram muito gentis com os recém-chegados e comiam sua comida. Depois de um acordo entre as partes, que determina que elas ganhem um pedacinho de tudo o que esses cinco humanos comem, a paz voltou a reinar entre as árvores.

Durante a noite, é hora de vivenciar o silêncio, só interrompido pelo que elegeram como o auge da madrugada – uma cantoria de um sem fim de pássaros de diferentes espécies às 4 da manhã, anunciando a chegada dos primeiros raios de sol.

Em oito dias, os cinco estão completamente integrados ao novo habitat. “O espaço virou mesmo a nossa casa. Temos uma sensação de afetividade muito grande, expandimos nossa noção de corpo e de espaço e percebemos que a natureza é mais do que terra e solo e cresce em todos os sentidos”, diz Flor, tentando descrever o indescritível.

A experiência têm gerado neles uma vontade de descobrir outras formas de trabalhar e agir no dia-a-dia. “Um jeito que respeite o tempo da vida, o ciclo das coisas, que seja mais orgânico”. Suas noções de consumo também têm sofrido mudanças e as tantas embalagens industrializadas nas cidades parecem cada vez mais desnecessárias. Os cinco também têm descoberto a arquitetura sustentável, que não destrói a natureza, já que faz uso dos próprios galhos das árvores como suportes para as plataformas de descanso e não vai deixar rastros de impactos negativos sobre o local, depois que o Habitáculos terminar – no domingo, último dia do Planeta no Parque.

Flor participa de instalações como essa desde 2004 e procura levar esse estilo natural de viver para a rotina que tem quando está com os dois pés no chão. “Se esse córrego do parque fosse limpo, poderíamos morar aqui para sempre”, diz a artista. Pelo visto, ninguém está muito animado a voltar de vez para casa depois de tanta harmonia, liberdade e paz.

Um comentário:

renatofarjalla disse...

gostei do material que vi,especialmente das fotos de arvorismo.Sou coordenador de ára de lazer em petrópolis, gostaria de desenvolver um espaço onde temos um rapppel para crianças,estamos a procura de parceiros para operação e assessoria
renatofarjalla@gmail.com